Início / Alentejo / Evoramonte – a História de Portugal num castelo
evoramonte paco ducal
Paço Ducal de Evoramonte

Evoramonte – a História de Portugal num castelo

A pitoresca e deliciosa freguesia de Evoramonte (ou Évora Monte) está situada entre as formosíssimas cidades de Évora e Estremoz. Outrora de elevada importância geográfica e militar, esta vila alentejana, cujas muralhas ainda protegem os seus habitantes lá do topo, sente-se como um guerreiro ancião que pacientemente aguarda o seu ouvido atento às inúmeras histórias que tem para lhe contar.

evoramonte
Castelo de Evoramonte desde a estrada

Evoramonte – a História

Claramente dividida em duas partes bem distintas, Evoramonte alia a atualidade que se vive na zona baixa à sua vila medieval situada no alto da Serra d’Ossa. Apesar da sua história remontar aos tempos pré-históricos, esta invulgar vila alentejana tem o seu primeiro momento notório durante o século XII.

Por volta da década de 1160, decorria a Reconquista de Portugal aos Mouros e a zona do Alentejo figurava-se como uma das mais difíceis para as tropas de D. Afonso Henriques. Foi exatamente nesta altura que Geraldo Geraldes, mais conhecido por Geraldo Sem Pavor (sim, aquele que daria nome à conhecida Praça do Giraldo), se ofereceu ao Rei para auxiliá-lo na retoma das terras alentejanas perdidas para os sarracenos.

visitar evoramonte
Rua de Evoramonte

Geraldo Sem Pavor, tal como o lendário Robin Hood, liderava, então, um grupo de salteadores e proscritos e foi a figura fundamental na conquista aos Mouros de Évora, Evoramonte e localidades vizinhas. A sua coragem e audácia sem limites tornaram-no numa lenda bem viva até aos dias de hoje, não só em Evoramonte, mas também em Évora e por todo o Alentejo.

Evoramonte teve o seu primeiro foral em 1248, renovado por El-Rei D. Afonso III em 1271. No entanto, as dificuldades em estabelecer uma população permanente e desejosa de lá viver pareciam manter-se. Assim, e com o intuito de fazer com que os habitantes de Evoramonte se sentissem protegidos e desejados, D. Dinis ordenou a fortificação da vila medieval em 1306. Embora a muralha tenha sofrido algumas alterações ao longo dos séculos, muito ainda se mantém do seu projeto original.

evoramonte castelo
A paisagem alentejana desde a Porta de São Sebastião do Castelo de Évora Monte

Na muralha que envolve a vila de Evoramonte pode conhecer as suas quatro portas dionisinas originais: a Porta do Freixo, com o seu arco gótico e ladeada por dois torreões cilíndricos, ostenta a inscrição que se refere ao início da construção da cerca; a Porta do Sol, semelhante à do Freixo, mas a oeste; a Porta de São Brás, voltada para a ermida com o mesmo nome e que ainda tem os seus munhões (encaixes para o eixo de um canhão); e a Porta de São Sebastião, que dá acesso direto à estrada que nos leva à Ermida de São Sebastião.

Ao subir a Serra d’Ossa, rumo à vila fortificada e ao castelo de Evoramonte, notará a forma dominante e imponente como a muralha se entrelaça com a encosta, formando um aglomerado militar bastante eficaz. O castelo em si, implantado num dos pontos mais altos da Serra d’Ossa, remonta também à Reconquista e a Geraldo Sem Pavor. Um feito arquitetónico distinto de tantos outros da sua época, o Paço fortificado é fruto da reconstrução do castelo original, após o terramoto de 1531.

evoramonte paco ducal
Paço Ducal de Evoramonte

Sob a orientação dos mestres Diogo e Francisco de Arruda e o patronato D. Jaime, duque de Bragança, o Paço, de inspiração italiana, é uma das gemas da arquitetura militar portuguesa. Ao chegar, verá, de imediato, os quatro torreões circulares dispostos num perímetro quadrangular. De alvenaria de pedra e cantaria de granito, será impossível não se sentir maravilhado com os extraordinários nós pétreos que se entrelaçam a meio das quatro faces do Paço. O estilo limpo e pouco adornado remete-nos para a sua função principal, a defesa da vila, com canhoeiras e frestas de tiro estrategicamente posicionadas. Por dentro, o Paço tem tetos em abóbada, assentes em pilares de cantaria.

evoramonte visitar
Evoramonte – os vasos na rua e as rendas na janela

Pouco a pouco, com o avançar dos tempos, a vila foi perdendo a sua importância militar e poder administrativo. Teve lugar de destaque na História de Portugal uma última vez, a 26 de maio de 1834, ao ser o local onde foi assinada a Convenção de Evoramonte, documento que colocaria fim à Guerra Civil Portuguesa (1828-1834). Travada entre os Liberais, apoiantes de D. Maria II, e os Miguelistas, defensores de D. Miguel I, esta guerra teria o seu fim em terras alentejanas bem perto de Évora. D. Miguel, ciente da sua derrota eminente, instala-se no concelho de Evoramonte com os seus conselheiros, onde acaba por assinar a sua capitulação e consequente abdicação do trono de Portugal.

Visitar Evoramonte

O apelo histórico e a beleza natural de Evoramonte mantêm, nos dias que correm, a força e fúria de outrora. Vila cujo caráter se forjou a ferro, sangue e fogo, reconstruindo-se a cada ataque sofrido, Evoramonte ostenta orgulhosamente as suas cicatrizes e fundações inabaláveis. Por isso, aproveite as tardes quentes do verão e venha ouvir as histórias que Evoramonte tem para lhe oferecer em sussurros de brisa fresca.

evoramonte turismo
Igreja Matriz de Evoramonte

Da mesma forma que em outras vilas alentejanas como Marvão e Monsaraz, a Evoramonte do alto da colina praticamente parou no tempo. Chegar lá acima pode ser um desafio se for a pé mas essa vontade instala-se nos mais ousados quando se vê o castelo desde a estrada, para quem vem de Évora ou de Estremoz.

Se decidir subir de carro, deixe-o fora das muralhas na Porta de São Sebastião para poder entrar na vila como o fizeram os portugueses ao longo da maioria dos séculos. A vila é pequena mas bonita e singular. O seu tamanho é um bom motivo para percorrer todas as ruas e recantos com atenção aos pormenores. Eles surgem por todo o lado em Evoramonte, seja um ornamento, uma porta ou janela claramente alentejanas, uma inscrição na parede, um pachorrento gato a descansar num lugar estratégico,…

Por onde quer que caminhe em Évora Monte vai encontrar simples casas brancas tradicionalmente pintadas com cal branca e, muitas vezes, com os coloridos rodapés, contornos de portas, janelas e frisos amarelos ou azuis típicos do Alentejo.

castelo evoramonte
As típicas cores nas paredes alentejanas de Evoramonte

Ao percorrer a pé toda a zona entre muralhas de Évora Monte pode ver a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição (bem perto do Cemitério dos Combatentes). Na Rua da Misericórdia, mais ampla e onde está o acesso às cisternas, alguns bancos convidam ao descanso. E perto das muralhas, aqui como em qualquer zona da vila, o horizonte longínquo recorda-nos o porquê da construção do castelo defensivo neste lugar. Mais à frente está a pequena Igreja da Misericórdia e o adjacente Hospital da Misericórdia. Mas o óbvio destaque em Évora Monte é a Torre, o Paço Ducal, no ponto mais alto da colina. Vale bem a pena caminhar à volta e mesmo entrar.

Na rua principal da vila, a Rua de Santa Maria, fica o lugar de onde vai poder levar a sua recordação de Évora Monte (para além das fotografias, claro). Chama-se Celeiro Comum e remonta a 1642, quando foi fundado a pedido dos evoramontenses por alvará de D. João IV para que houvesse reservas de cereais. Hoje em dia, acomoda uma loja de artesanato de extremo bom gosto.

evoramonte artesanato
Artesanato em Evoramonte no Celeiro Comum

Aos artigos que simbolizam Portugal juntam-se muitos mais tradicionais desta região e os originais dos artesãos desta casa. Qualquer que seja a sua escolha, ao ver a sua peça de artesanato alentejano na sua casa, a vontade de voltar a Évora Monte terra vai crescer. Encontramo-nos por cá!

Booking.com

Veja também

alqueva

Visitar Alqueva – a barragem ícone do Alentejo

Barragem de Alqueva, o maior lago artificial da Europa, uma imensidão de água a perder …